terça-feira, 9 de julho de 2013

História do cotidiano

Reportagem disponível em: http://revistaescola.abril.com.br

Elaine de Paula uniu o local ao global em estudo de objetos antigos





Articular o cotidiano e a história de vida dos alunos à história local e à nacional é uma das diretrizes do ensino da disciplina. Mas como fazer isso sem ser especialista? A experiência da professora Elaine de Paula, formada em Pedagogia, ajuda a responder a essa pergunta. Desenvolvido com turmas de 3° ano na EM Agnes Pereira Machado, em Catas Altas, a 142 quilômetros de Belo Horizonte, o projeto envolveu um estudo sobre antigos utensílios domésticos e de trabalho, que permaneciam guardados na casa dos habitantes da cidade e que ainda fazem parte do modo de vida deles. "A turma analisou a utilização de cada objeto no contexto em que viviam seus antepassados e na atualidade", diz Elaine. 

Essa estratégia revela uma concepção de ensino de História, abordada com base na história de todas as pessoas, e não de uma entidade abstrata (a cidade, o Estado ou a nação, por exemplo). "Todo vestígio deixado pela humanidade, inclusive o das pessoas consideradas comuns, pode se tornar uma fonte importante de estudo", explica José Evangelista Fagundes, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Essa prática permite à meninada construir sua identidade e resgatar a herança cultural de sua cidade. "Também estimula o aluno a interferir nos rumos da sociedade em que vive", diz Leila Medeiros de Menezes, docente da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj).


Essas orientações metodológicas, presentes no projeto de Elaine, valem para educadores de todo o Brasil. Para fazer um bom trabalho em história local, o importante é ter em mente que há muitos recortes possíveis. "Eles devem ser pensados em função das necessidades e perguntas dos próprios estudantes", explica Fagundes. Isso significa que é possível estudar determinado conteúdo com base na ótica de um dos grupos envolvidos. Outra questão diz respeito à seleção dos temas clássicos. Em todos os casos, é preciso relacionar o que ocorria no país no período estudado aos reflexos na região em que vive a turma. É por meio da localidade que os aprendizados ganham sentido no dia a dia do aluno e ele passa a fazer relações e entender conceitos. Vale lembrar que alguns assuntos são mais adequados para determinadas regiões, como as migrações no Sul e no Sudeste e a cana-de-açúcar no Nordeste. A interiorização do país no século 18 e a agropecuária podem ser estudadas no Centro-Oeste. Já o ciclo da borracha é uma boa opção de pesquisa no Norte do país.

O passo a passo do projeto

Conheça as etapas do trabalho da professora Elaine Rodrigues de Paula

- Investigação Ela citou objetos do passado que ainda eram usados e pediu que a turma os levasse para a classe.

- Produção de textos Os alunos estudaram a história dos instrumentos com base em artigos selecionados e produziram textos e desenhos.

- Entrevistas A professora propôs que fizessem entrevistas para saber mais sobre os objetos estudados e seu contexto histórico.

- Trabalho de campo A criançada conheceu o acervo do Museu do Caraça e aprofundou seus conhecimentos sobre os objetos analisados.

- Produto final As produções foram reunidas em um livro e houve uma apresentação oral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails